sábado, 3 de dezembro de 2016

COISAS DO TEMPO






VEIO MEIO
EM BRASA
FOI COMO
UM VENTO
PASSANDO
PELA CASA
SOPRANDO EM MEU
OUVIDO
PALAVRAS SEM SENTIDO
EM SUSSURROS
QUE PELO ESCURO
SE ESPALHOU
APENAS DEIXOU
MURMÚRIOS
DENTRO DO SILÊNCIO
QUEM SAIBA SEJA APENAS
COISAS DO TEMPO
ASSIM QUE A ALMA BRILHOU
QUEM SAIBA SEJA UMA LEMBRANÇA
UMA PEQUENA RECORDAÇÃO
QUE POR AI FICOU
FOI O SOPRO DA BRISA
DENTRO DA MADRUGADA
FRIA
DENTRO DESTE PENSAMENTO
QUE SE ESVAZIA
EM ILUSÕES QUE UM DIA
ME DEU
POIS DENTRO DE UM ABRAÇO
EM PEDAÇOS SE QUEBROU
QUEM SAIBA SEJA SONHOS APENAS
RELEMBRANDO O QUE PASSOU
MAS ESTE VAZIO
É INTERMINÁVEL
É APALPÁVEL
QUE QUASE SE QUEBROU
SÃO MEUS PENSAMENTOS
SÃO MEUS MOMENTOS
SÃO MINHAS ILUSÕES

QUE DENTRO DA SOLIDÃO... SE ACOSTUMOU.