sábado, 7 de novembro de 2015

APAGAR




VOU ME APAGAR
DEIXAR DE BRILHAR
SER UMA SOMBRA
ENTRE OS ESCOMBROS
DOS MEUS SENTIMENTOS
VOU AGARRAR
AS ASAS DO VENTO
E ME PERDER NESTE ESPAÇO
SER O BRAÇO
DE UM RIO QUALQUER
POIS EM TEUS SONHOS DE
MULHER
A VIDA NÃO FLUIU
O MAR NÃO ABRAÇOU O RIO
O VENTO NÃO CARREGOU AS FOLHAS
E POR AI ATOA
VIVE O PASSADO
GELADO
COMO UM ICEBERG
E ANTES QUE EU ME ENTREGUE
A ESTA SAUDADE
VOU FUGIR DE MINHAS LEMBRANÇAS
DESFAZER MEUS SONHOS
VIVER EM MINHA REALIDADE
POIS AO ME APAGAR
NADA VAI SOBRAR
NEM MESMO OS DESEJOS
SÓ O GOSTO DE UM BEIJO
QUE EM MEUS LÁBIOS
SE PERDEU
DESEJO APENAS QUE EU
NÃO ME PERCA TAMBÉM
QUE  ALÉM
DO QUE PUDE IR
POIS DE MANHÃ EU SEI

O SOL... A DE VIR.