sábado, 10 de outubro de 2015

NA CONTRA MÃO



SOU UMA GOTA
QUE CAIU
QUE AS ÁGUAS
DESTE RIO LEVOU
SOU A FLOR
QUE PERFUMA
A ESPUMA
DE UMA TAÇA DE CHAMPANHE
BORBULHANDO
DENTRO UM COPO DE CRISTAL
SOU AFINAL
CACOS
QUE EM PEDAÇOS
SE ESPATIFOU PELO CHÃO
ESTOU NA CONTRA MÃO
DE SEUS DESEJOS
SOU APENAS AQUELE BEIJO
QUE A MUITO SE PERDEU
SOU O POEMA QUE ESCREVEU
O PERFUME DENTRO DE UM FRASCO
PEQUENO
O VENENO
QUE MATA
A FRUTA QUE PELA MATA
CRESCE
SOU A CACHOEIRA
QUE DESCE
MORRO ABAIXO
SOU AQUELE QUE ME ACHO
PERDIDO
DENTRO DE SEU CORAÇÃO
SOU UMA CANÇÃO
QUE FICA NA ETERNIDADE
AFINAL

SOU TUAS LEMBRANÇAS... TUA SAUDADE.