quarta-feira, 29 de julho de 2015

QUANDO O SOL BRILHOU






ESTAVA AMANHECENDO
E A BRISA QUE VINHA DO
MAR
BALANÇOU A CORTINA
UMA LÁGRIMA REPENTINA
CAIU EM MINHA FACE
E ANTES QUE A SAUDADE
CHEGASSE
MINHAS LEMBRANÇAS FORAM
EMBORA
FOI O SOL QUE BRILHOU LA FORA
TRAZENDO A REALIDADE
TRAZENDO ESTES MOMENTOS
VAZIOS
SÃO VENTOS FRIOS
ACARICIANDO MEUS ROSTO TRISTE
E TUDO O QUE AGORA EXISTE
É SÓ RECORDAÇÕES
DOCES ILUSÕES
QUE FORAM ME DEIXANDO
E EU DESPREPARADO
FUI DEIXANDO DE LADO
TEU SORRISO
TEU OLHAR
POIS SOBRE AS ONDAS DO MAR
SÓ AS ESPUMAS
ENTRE AS BRUMAS DO AMANHECER
POIS SEM VOCÊ
EU NÃO SOU NADA
EU NÃO EXISTO
SOU APENAS UM GRITO
SEM ECO
SOU UMA CHUVA
EM UMA TARDE DE INVERNO
SOU RABISCO EM UMA FOLHA
DE UM CADERNO
SOU UM LÁPIS SEM PONTA
SOU O SOL QUE DESPONTA
QUERENDO BRILHAR
SOU UMA ESTRELA QUE VAGA
SEM BRILHO
SOU NADA
CURVA NUMA ESTRADA
VAZIO
ÁGUAS QUE NO RIO
QUEREM APENAS... O MAR ABRAÇAR
SOU AQUELA PEGADA
QUE O PÓ APAGOU
É TRISTE
MAS O QUE RESTOU
NADA ME DEU
FORAM SE OS OLHOS TEUS

E FOI OS MEUS... QUE FICOU.