quinta-feira, 9 de abril de 2015

O VAZIO QUE ME DEU






O VENTO FRIO
O VAZIO
A ETERNIDADE
O SILÊNCIO
MOMENTOS
DE SAUDADE
A LÁGRIMA
O SOLUÇO
A NOITE ACABANDO
CREPÚSCULO
A DOR QUE FICOU
A FLOR QUE MORREU
A LEMBRANÇA
QUE NÃO ACABOU
NO INSTANTE EM QUE
AMANHECEU
A BRISA QUE O MAR
MANDOU
O ORVALHO QUE A
FLOR BEIJOU
FORAM FICANDO PARA
TRAZ
É SENSAÇÃO QUE SATISFAZ
EM PURA EVOLUÇÃO
SÃO VOZES
VINDO DO NADA
SÃO CHUVAS QUE PELA
ESTRADA
O PÓ APAGOU
SÃO RESTOS
QUE LHE EMPRESTO
PELO VAZIO
QUE ME DEU
ENTÃO PEGA MINHAS
LÁGRIMAS
E AS COLOCA DENTRO... DOS OLHOS TEUS
SÃO ESQUINAS
DE LUZES APAGADAS
É MADRUGADA
O SILÊNCIO
SÃO ALMAS PERDIDAS
DENTRO DO ESQUECIMENTO
SÃO VELAS ACESAS
POEMAS SOBRE A MESA
A TINTA ESCORRENDO
É SAUDADE QUE ESTA DOENDO
VEM BATENDO
NO CORAÇÃO
SÃO CAMINHOS INTERMINÁVEIS
SOLUÇOS QUE DE PASSAGEM
FAZ O PEITO DOER
E A ÚNICA COISA QUE ME
RESTA
É SER COMO ESTA LUZ
QUE ENTRA PELA FRESTA

E SER DE TUDO... A EVOLUÇÃO.